💬 Resenha #5 | Suicide Club


Estava observando os mangás nas promoções relâmpago da Amazon Brasil, e me deparo com este: “Suicide Club”. O interessante nome me fez comprá-lo, e não me arrependo. Neste, somos apresentados a um dos temas complicados da atualidade com uma forma cruel e sangrenta.

Cinquenta e quatro garotas deram as mãos, gritaram e pularam na frente de um metrô em atividade. As imagens chocantes se espalharam entre as pessoas que ali estavam, familiares, próximos e os não tão próximos assim.

Se não bastasse tamanha repercussão, algo ainda mais chocante acontece: uma das garotas que participou do evento, por “sorte”, sobreviveu.

A jovem Saya Kota, a tão falada sobrevivente, passa a se martirizar por ainda estar viva.  Mesmo que sua amiga de infância, Kyoko, tente ajuda-la, não será nada fácil.

Quando seu pai foi internado, Saya começou a mudar. Ela se prostituía, escutava um músico que se automutilava e desenhava coisas estranhas no diário. Tudo piorou quando os boatos surgiram em seu colégio. A jovem se envolve em uma briga com Satomi e acaba tendo suas fotos espalhadas pelas paredes.

Tempo depois de tal acontecimento, surge a primeira morte. Supostamente suicídio, mas o detetive Kuroda observa algo estranho no corpo. A jovem morta, Satomi, está usando o mesmo uniforme de Saya.

- Ainda dói?
- Não. Isso não é nada.
- Esse cara não presta! Como pôde colocar a culpa em você?!
- Não se preocupe. Eu não sinto nada. Nem dor e nem alegria.
Kyoko & Saya, pág. 39/40.

Os boatos crescem. Algumas garotas pensam que Saya tem um superpoder e começam a se aproximar da jovem tornando-a em uma divindade que precisa ser adorada. E é aqui que a história começa.

Com o passar rápido da história, conhecemos melhor as personagens e suas pretensões. Mais pessoas morrem, mais peças se encaixam e mais divina Saya se torna. O fanatismo sobre a cabeça das garotas e tudo se acumula para algo pior: um novo suicídio em massa.

A trama também mexe com o psicológico dos personagens e tudo se torna mais impactante. Suicídio, bullying, prostituição infantil, automutilação, ocultismo, exposição, internet e outros compõem a história.

A leitura é muito boa e traz certas conclusões ao fim da leitura. É a minha primeira leitura de mangá e gostei bastante. Em relação a edição, afirmo que a New Pop fez um ótimo trabalho, mas o preço é um pouco alto (mas você pode economizar nas ofertas de sites online). Recomendo a todos, mas saibam que é uma leitura +18 anos.

Pesquisei mais sobre a história e o autor e sei que há um filme baseado na obra. Ainda estou procurando, mas quando encontrar irei fazer uma atualização sobre a adaptação (mas já sei que há muito sangue).



自殺サークル Jisatsu Sākuru 
Usamaru Furuya
Tradução: Denis Kei Kimura
200 Páginas
 Gênero: Mangá/Terror
Novembro/2008

Compartilhe:

0 comentários