🍪 Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens | Resenha

A leitura de Simon começou meio conturbada. Li os dois primeiros capítulos e advinha: Simon Says, Não! A narrativa não me pegou, se é que me entendem. Achei meio arrastado por conta do protagonista que aqui abro aspas era "meio chato".

INFORMAÇÕES DO LIVRO


Simon Vs. A Agenda Homo Sapiens
Simon vs. the Homo Sapiens Agenda
Becky Albertalli
303 Páginas | Editora Intrínseca
★★★★★

Simon tem dezesseis anos e é gay, mas ninguém sabe. Sair ou não do armário é um drama que ele prefere deixar para depois. Tudo muda quando Martin, o bobão da escola, descobre uma troca de e-mails entre Simon e um garoto misterioso que se identifica como Blue e que a cada dia faz o coração de Simon bater mais forte.

Martin começa a chantageá-lo, e, se Simon não ceder, seu segredo cairá na boca de todos. Pior: sua relação com Blue poderá chegar ao fim, antes mesmo de começar. 
Agora, o adolescente avesso a mudanças precisará encontrar uma forma de sair de sua zona de conforto e dar uma chance à felicidade ao lado do menino mais confuso e encantador que ele já conheceu.

MINHA RESENHA


Embora essa coisa toda de sair do armário no fundo não me assuste.
Acho que não.
É uma caixa gigantesca cheia de constrangimento,
e não vou fingir que anseio por esse dia.
Mas provavelmente, não seria o fim do mundo.
Não para mim. - pág. 8
Se aproximava a data de estreia da adaptação e então, bom, uma segunda chance não faz mal a ninguém e... advinha... Por que não li ele antes?

Simon tem dezesseis anos, está no ensino médio e é gay. Se acha que a história vai rodear a trajetória de revelação, ou denominado simplesmente como "sair do armário", está completamente errado. Becky vai além. Não saber como contar aos pais e amigos é uma das tramas, mas não a principal.

Vivendo feliz com seus pais compreensíveis, irmãs adoráveis, amigos incríveis e suas curiosidades, Simon acaba fazendo algo libertador. Descobrindo, por meio de uma postagem no creeksecrets, que alguém em Creekwood High School é gay, acaba mandando um email ao anônimo Blue.
Ele falou sobre o oceano entre as pessoas.
E que o objetivo de tudo é encontrar uma margem
até a qual valha a pena nadar. - pág. 22
Ambos compartilham memórias, desejos e uma regra de dieta maluca, meio apaixonante, de Oreo. A conversa fica mais intensa, o relacionamento começa a se firmar com emails mais profundos e a busca pela verdadeira identidade deles.

Mas tudo vira uma grande arma para o Martírio Abominável, já que ele consegue ter acesso aos emails e descobre o maior segredo de nosso protagonista passando a chantageá-lo em troca de um favor (desculpa a palavra mas, um favor de merda, com toda certeza).
E eu odeio quando as pessoas dizem isso.
Eu também me sinto seguro quanto à minha masculinidade.
Sentir-se seguro quanto à masculinidade
não é a mesma coisa de ser hétero. - pág. 62

Blue consegue atrair o leitor de um forma única, revelando sua história aos poucos e em textos impecáveis. Muito além dos principais, outros personagens se destacam como Leah, Abby, Nick e em especial a Srta. Albright (ou melhor, professora foda!).

Becky Albertalli consegue repassar muitos ensinamentos e sentimentos na sua forma maravilhosa de escrita. Para quem não a conhece, ela é psicóloga e conseguiu retratar diversas cláusulas da vida social jovem de forma real, sem nenhuma situação de extremidade (além do que é real) e com uma forte mensagem no fim: podemos ser felizes. Não idealize ninguém. Você vai se surpreender conhecendo melhor quem está ao seu redor e bem, o amor da sua vida pode estar ao seu lado.
Então, venho pensando nessa história de identidade secreta.
Você já se sentiu preso dentro de si mesmo?
Não sei se isso faz algum sentido.
É que às vezes parece que todo mundo sabe quem eu sou,
menos eu. - pág. 56
O que me chamou mais atenção na leitura foi a força do personagem Simon, que não se deixa aparentar fraqueza quando necessário, mas quando chorava me deixa emocionado, pois é apenas um jovem de 16 anos que luta para lidar com seus pensamentos e com o preconceito. Existem diversos Simons espalhados por aí, o que torna isso muito mais profundo.

As páginas passaram voando, por isso recomendo essa leitura a todos. Li mais rápido que o habitual já que não conseguia parar. Queria mais, mais e mais. O ruim foi a crise existencial no final mais apaixonante do mundo com a revelação do anônimo Blue e pelo que ambos escolheram juntos. Um livro sem sofrimentos extremos (aquele clichê de um jovem gay que sofre bastante para ser feliz), só amor.
E não consigo parar de sorrir.
Há momentos em que realmente dá mais trabalho
não sorrir. - pág. 244

SOBRE A AUTORA

Becky Albertalli é psicóloga, o que lhe proporcionou o privilégio de trabalhar com muitos adolescentes inteligentes, estranhos e irresistíveis, e por sete anos foi orientadora de um grupo de apoio em Washington para crianças com não conformidade de gênero. Mora em Atlanta com o marido e os dois filhos. Simon vs. a agenda Homo Sapiens é seu primeiro livro.

Compartilhe:

2 comentários

  1. A cada resenha fico com mais vontade de ler esse livro!! Não vejo a hora do meu chegar!
    Ps: achei as cores do título do teu blog muito lindas <3

    http://livrelendo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir