💥 Amadurecimento Musical?

Mudamos com o passar do tempo e, assim como muitos leitores e pessoas ao redor do mundo, eu tive diversas mudanças. Já fui do hip-hop, do rock brasileiro, forró, axé, funk entre outros. Mas o gênero que me marcou durante muito tempo foi o pop e suas derivações.

O pop se fortaleceu no meu dia-a-dia em 2014. A batida contagiante me fazia dançar - até mesmo durante as aulas, me deixava feliz. Ouvia as cantoras do momento: Katy Perry, Rihanna, Beyoncé, Meghan Trainor entre outros.

Em 2016, a minha cantora preferida, Rihanna, lança ANTI. A sonoridade dela havia mudado e aquela novidade me fez abrir os olhos para outros gêneros. Comecei a ouvir e procurar músicas pop melancólicas, batidas mais lentas, mais letra que refrão e, por um momento pensei: estou deixando o pop?



Meu primeiro passo "fora da caixa" foi com a trilha sonora do meu filme preferido daquela época: As Vantagens de Ser Invisível. XTC, New Ordern, Galaxie 500 e Dexys Midnight Runners me fisgaram de uma maneira impossível de explicar. Foi como um amor a primeira vista - e olha que era muito difícil algo me agradar assim.



Depois de entender que existem músicas boas em todo lugar e que bastava procurar, escutar e me deixar apreciar sozinho, sem que ninguém me indique nada, meu gosto mudou completamente. Vocês conhecem The Radio Dept.? STRFKR? Broods? Missio? Declan McKenna? Coin? Weathers? Bom, talvez sua resposta seja: - Claro! Eu amo eles!; ou simplesmente um belo e digno: - Não!

Se eu deixei o pop ir embora? Podemos dizer sim, mas existem exceções. Algumas músicas pop marcaram minha vida e elas precisam me acompanhar a qualquer lugar que vá, mas ultimamente estou ouvindo muita música old school, batidas melancólicas e muito som britânico. São sons que preenchem meu vazio, me fazem sentir a depressão sem me magoar, não me deixam esconder o que sinto. Elas são sons que compõem a meus pensamentos, sentimentos e ser.

Compartilhe:

0 comentários