Você sabe o que é "Queerbaiting"?


Você já pode ter se deparado (ou não) com uma situação de queerbaiting em algum lugar. Pode ter sido em uma leitura, um filme que assistiu, nas séries maratonadas no dia-a-dia ou até mesmo em programas de TV. A palavra ainda persiste em sua mente? Está procurando um significado? Bom, vou dar uma ajuda que vai ligar algumas luzes em sua cabeça.

Vamos dizer que você está completamente eufórico assistindo uma série ou lendo um livro onde personagens do mesmo sexo estão bastante próximos, com momentos de aquecer corações e vomitar arco-íris. Na sua cabeça, esse shipp vai se concretizar, mas a ideia acaba sendo jogada no abismo.  A história acaba seguindo outro rumo, gerando dúvidas e desgraçando a vida de um ser iludido. As teorias se perpetuam nas conversas com amigos e em fóruns na web, mas isso tudo tem uma razão.
"É uma estratégia midiática utilizada por autores, diretores e outros, para atrair o público LGBTQ+ na indústria do entretenimento. Utilizam situações e reviravoltas para que os personagem de mesmo sexo tenham momentos íntimos, gerando uma tensão sexual ou romance para satisfazer o público alvo, mas sem admitir sua sexualidade e mantendo a audiência conservadora."
É algo bastante comum, que gera lucro e que atrai um público bastante engajado (no caso, o público queer) sem que a bandeira seja realmente representada. Produtoras, televisão e editoras usam isso muito bem já que o lucro aumenta e eles recebem o famoso Pink Money. Alguns dizem que a técnica é para ampliar o mercado, evitando qualquer estranhamento ao público heterossexual, reunindo e agradando ambos sem levantar discussões.

Mas esse pensamento não evita as discussões, só fazem agravar ainda mais o significado por trás do termo, tornando a técnica polêmica e tóxica. Questões foram levantadas sobre o personagem Lando em Solo (spin-off de Star Wars), na revelação da escritora J. K. Rowling sobre a existência de um relacionamento entre Dumbledore e Grindelwald, e também no alarde da Disney ao anunciar um personagem abertamente gay no filme A Bela e Fera.
Muitos aprendem sobre a negatividade de uma falsa representatividade e pedem desculpa, mas outros negam até a morte sobre o caso. Isso gera uma bola de neve enorme já que o ato de shippar casais é algo comum nos dias atuais, mas ficam intensos e perdem o controle, gerando perguntas repetitivas, indignação e movimentando o famoso cancelamento.

Nem sempre a culpa é deles, muitas vezes vem de nós mesmos. A gente gosta da arte de shippar personagens de qualquer universo e quanto maior a fanbase, mais perigoso isso fica. Um exemplo atual disso são entre os grupos de kpop, onde eles utilizam o famoso fanservice para alimentar milhões de fãs que até brigam nos fóruns da web, decidindo quem se relaciona com quem, mesmo que nada seja concreto.

Se você me perguntar sobre produções em que a bandeira é realmente levantada e representada, sei que até você vai me indicar vários, mas você pode rir, chorar e se apaixonar em:

  • Glee: Em Busca da Fama (Disponível na Netflix)
  • Orange is the New Black (Disponível da Netflix)
  • Sense 8 (Disponível na Netflix)
  • Com Amor, Simon (Disponível em DVD/Blu-Ray)
  • Queer As Folk (Disponível na ShowTime)
  • Love, Victor (Disponível na Disney+)
  • Special (Disponível na Netflix)
  • Handsome Devil (Disponível na Netflix)


Você conhecia o técnica? A postagem esclareceu suas dúvidas ou só aumentou elas? Comente na postagem e vamos conversar mais sobre!

Essa postagem foi desenvolvida com ajuda dos seguintes artigos:
Queerbaiting in YA Fantasy – a Valentine’s Day Post
The Course of Events (https://thecourseofevents.wordpress.com/2016/02/15/queerbaiting-in-ya-fantasy-a-valentines-day-post/)
Sabe o que é queerbaiting? Entenda a estratégia polêmica de Hollywood
Metrópoles (https://www.metropoles.com/vida-e-estilo/comportamento/sabe-o-que-e-queerbaiting-entenda-a-estrategia-polemica-de-hollywood)
A Linha Que Separa Amizade do Queerbaiting.
Preta, Nerd & Burning Hell (http://www.pretaenerd.com.br/2018/08/a-linha-que-separa-amizade-do.html)
Queerbaiting: What is it and why is it a problem?
Pink News (https://www.pinknews.co.uk/2018/02/26/what-is-queerbaiting-everything-you-need-to-know/)
Discussion: Manipulation in Books
Inside My Library Mind (https://insidemylibrarymind.wordpress.com/2018/01/18/discussion-manipulation-in-books/)
Fandom, PLEASE Stop Misusing the Term 'Queerbaiting'
CBR.COM (https://www.cbr.com/fandom-please-stop-misusing-queerbaiting/)
How long will they tease their fans?
Illustration by Eunhye Cho, Laguna College of Art and Design
‘Supernatural’: The Slowest Burn Or Biggest Queerbaiting? Time To Decide
Study  Breaks (https://studybreaks.com/tvfilm/supernatural-and-the-journey-of-sexuality/)

15 comentários:

  1. Eu não conhecia o termo e nem seu significado. Post necessário para que entendamos até que ponto as mídias estão mesmo nos representando de fato. Show! 😌😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou de descobrir e saber mais sobre o termo! O "Queerbating" passa na nossa frente, mexe com nossas emoções e nem percebemos. =)

      Excluir
  2. Shoow de post!!! Não conhecia achei super interessante, vou pesquisar mais sobre.
    bjs
    https://quemevcbrubs.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Ytalo!

    Esse papo do queerbait é uma loucura né, eu trabalho com presentatividade e nossa, o tanto disso que a gente vê por ai não é pouca coisa, o pior de tudo é que poucas pessas tem noção disso né, tem gente que nem sabe que isso existe e acaba consumindo essas coisas que não ajudam em nada na causa. Adorei teu texto, ficou incrivel!

    ResponderExcluir
  4. Oi Ytalo!!

    Menino eu já to bem familiarizado com esse termo, eu também acho super FDP o uso desse artificio para atrair público o último queerbaiting que vi foi em Falcão e o Soldado Invernal, todo mundo shippando Sam e Bucky, muita gente apostando que Bucky é bissexual e no fim não vai ter NADA sobre essa questão! Adorei o post muito informativo e necessário!

    Beijos!
    Eita Já Li

    ResponderExcluir
  5. Oi Ytalo!

    Vou ser bem sincera com você eu ainda não tinha lido nada sobre este termo e achei o seu texto bastante interessante. Vou procurar mais informações sobre o assunto e assistir algumas dicas que você mencionou no texto para conhecer mais o assunto.

    Bjos
    https://consumidoradehistorias.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Nossa, que curioso! Eu nunca tinha ouvido falar desse termo. Mas lendo sua explicação, a primeira coisa que me veio a mente foi a série Orange is the New Black e fiquei surpresa nas indicações que fez, constando o nome da mesma.
    É uma coisa bem complicada, mas foge das nossas mãos. Apesar de que, estarmos evoluindo, as coisas deveriam ser como são e ser somente para agradar certos públicos. Mas aquilo que envolve dinheiro é mais complicado ainda.
    Adorei essa informação!

    Gabrielle Garcia
    https://bibliotecandoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Ytalo, tudo bem?
    Você arrasou com seu post! É algo dentro do universo literário que eu não conhecia. Confesso que é a primeira vez que ouço essa palavra. Deu para entender e já fui até nos links que você deixou como consulta. Eu nunca percebi essa estratégia. Ficarei mais atenta.
    beijinhos.
    cila.

    ResponderExcluir
  8. Ai, tô achando que fiquei com mais dúvidas, mas isso só me levará a ir atrás de respostas e exemplos do termo. Mesmo eu não assimilando tudo, acho bem complexo engajar toda uma comunidade e decepcioná-la ao final, não a representando a contento. Adorei os exemplos que você deu no final do post e amo apaixonadamente o seu conteúdo!!
    Bj

    ResponderExcluir
  9. Eu já havia percebido essa recorrência em algumas obras, mas desconhecia a denominação. Artigo interessante para manter as pessoas atentas com relação a essa espécie de falsa representatividade.

    Abraço,
    Andy -StarBooks

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    Eu já tinha visto essa técnica sendo usada em algumas obras, mas não sabia que existia um termo para isso. Acho um absurdo que filmes, séries e livros ainda usem esse artifício de uma falsa representatividade. Além de ser uma forma de enganação, é uma grande falta de respeito com o público. Mas ainda bem que existem obras que trazem uma verdadeira representatividade e, inclusive, já anotei as suas indicações.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá, tudo bem? Eu fui me inteirar acerca disso quando entrei no mundo do kpop, e como você disse, o fanservice é estrondoso, onde realmente brigas ENORMES acontecem por isso, às vezes chegando mesmo ao idol. As empresas utilizam desse subterfúgio para muitas vezes manter uma fanbase, e pior, isso vende e MUITO. Acho uma desserviço social coisas assim. Representatividade não é lucro, é algo que tem que acontecer porque somos uma sociedade plural. Complexo o assunto, mas necessário debater! Ótima postagem!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Oi Ytalo!
    Não conhecia esse termo, agradeço por seu post informativo, vamos fazer isso correr por aqui, já que temos vários caminhos disponível, adorei seus exemplos de produções principalmente Glee que amo. Parabéns pelo post, obrigado pela informação. Abraços!

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Adorei o post, muito esclarecedor. Não conhecia o termo, mas já passei pela situação de shippar alguns personagens que não admitiam se eram ou não LGBTQIA+ mas existia aquela química e tensão sexual. As vezes é até frustrante porque a gente torce para que eles fiquem juntos e isso não acontece .

    Beijos!

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Post muito bem informativo!
    Eu já tinha lido essa expressão, só não tinha ligado uma informação a outra. rsrs
    Bjs
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.